Notícias

    Postado em 24 de Agosto de 2017 às 10h12

    NOTA CONTRACS SOBRE "SERVIÇO ESSENCIAL"

    Contracs se posiciona contra a medida, que afetará toda a sociedade

    Sindicom Chapecó Contracs se posiciona contra a medida, que afetará toda a sociedade A Confederação Nacional dos Trabalhadores no Comércio e Serviços da CUT (Contracs/CUT), após tomar conhecimento da...

    A Confederação Nacional dos Trabalhadores no Comércio e Serviços da CUT (Contracs/CUT), após tomar conhecimento da publicação ontem (16/08) do Decreto nº 9.127 de 16 de agosto de 2017 que reconhece os supermercados como serviço essencial, vem a público expressar sua indignação com a condução política no Brasil do governo ilegítimo e golpista de Temer e seus sucessivos golpes contra os direitos sociais e trabalhistas.


    Sabemos que as condições de vida são alteradas com a aprovação das leis, portanto muitas coisas estão em jogo. Nesse momento conjuntural, aprovar a essencialidade de um serviço prestado a toda sociedade considerando apenas a opinião do empresariado e das multinacionais é um ataque à democracia e mais um duro golpe contra a classe trabalhadora.


    Desde 2000, trabalhadores e trabalhadoras do setor supermercadista lutam contra a abertura do comércio aos domingos com ampla campanha com os slogans “Domingo é dia de trabalhar o afeto, amor e carinho” e “Se domingo fosse dia de trabalho, chamaria segunda-feira”. Essa luta foi motivada em decorrência da inclusão de má-fé do governo Fernando Henrique Cardoso do tema na lei 10.101/2000 que, a pedido do setor patronal, incluiu a liberação do comércio aos domingos.


    Desde então, lutamos pela revogação desta lei e com muito esforço conquistamos apenas a garantia de uma folga a cada dois domingos trabalhados por meio da lei 11.603/2007 bem como a obrigatoriedade da negociação coletiva para a garantia de compensações aos trabalhadores nos domingos e feriados.


    Mas diante do novo decreto, caracterizando a essencialidade do serviço supermercadista, afronta-se diretamente o direito dos trabalhadores brasileiros, ignorado pelos consumidores e principalmente usurpado pelos empregadores.


    Não compreendem que esses trabalhadores estão sendo ceifados do direito de convívio familiar, do seu direito à religiosidade, aos seus estudos, acesso à cultura, ao esporte, ou seja, impacta toda uma estrutura emocional e física que, sem oportunidades, estão fadados a pobreza e ao adoecimento.
    Qual é o compromisso do setor patronal com a sociedade? Como ficarão os filhos das trabalhadoras nos caixas de supermercados com a obrigatoriedade do trabalho nos domingos e feriados? Pagar um lanche e R$ 30,00 substitui a falta da mãe no almoço do Natal e em todos os demais feriados e domingos?


    Além da organização da vida em sociedade, que será duramente afetada com esse decreto, a Contracs alerta para o cerceamento do direito à greve, uma vez que a Lei de Greve (Lei 7.783/89) estabelece a necessidade de manter em atividade equipes de empregados para assegurar a prestação de serviços. Mas afinal, esse serviço é realmente essencial?


    É premente fazermos ainda uma sólida discussão sobre a essencialidade deste serviço, uma vez que o Comitê de Liberdade Sindical da Organização Internacional do Trabalho (OIT) caracteriza as atividades essenciais como aquelas que refletem diretamente na sociedade e cuja a interrupção pode pôr em perigo a vida, a segurança ou a saúde da pessoa, em toda ou parte da população. Da mesma maneira, a Lei de Greve (Lei 7.783/89) brasileira também não nos dá um entendimento pleno de que a atividade supermercadista se enquadraria como uma necessidade inadiável, uma vez que determina que “são necessidades inadiáveis da comunidade aquelas que, não atendidas, coloquem em perigo iminente a sobrevivência, a saúde ou a segurança da população.”


    Nós, da CONTRACS/CUT, repudiamos esse decreto, pois as trabalhadoras e trabalhadores em supermercados possuem baixos salários, não tem garantido a organização das escalas de trabalho com antecedência, são obrigados a trabalhar sobre o regime de bancos de horas os quais os trabalhadores nunca conseguem folga quando desejam e, com a nova legislação trabalhista, teremos um exército de trabalhadores escravos do trabalho.


    Não podemos fechar os olhos para este problema, pois precisamos garantir um patamar mínimo de cidadania aos trabalhadores e esse decreto elimina essa garantia. Os argumentos utilizados pelo setor patronal que trata dos direitos aos consumidores não são suficientes frente às muitas possibilidades existentes em qualquer munícipio brasileiro para a organização da compra alimentícia de suas famílias.


    Somos contra este decreto precarizante que se esconde por trás de um discurso de modernização e segurança jurídica. Na verdade, esta iniciativa retira direitos, prejudica a vida de milhares de trabalhadores e seus familiares e significa um inaceitável retrocesso social, em um país com índices expressivos de desigualdade. Vamos RESISTIR!


    Direito não se reduz, se amplia!
    Por uma sociedade justa e igualitária!
    Pela Democracia!

    Fonte: Contracs

    Veja também

    Anulação da Reforma Trabalhista11/10/17    A Diretoria do Sindicom participou de mais um importante trabalho de base realizado em Chapecó. Juntamente com demais sindicatos cutistas, coletou assinaturas para a anulação da Reforma Trabalhista, que entra em vigor no dia 11 de novembro.    Nosso trabalho continua! Enquanto houver alternativas de combater as tentativas de retiradas de direitos dos trabalhadores,......
    Dicas para melhorar a atividade no local de trabalho01/09/1610 hábitos que ampliam saúde física e mental no local de trabalho     Profissionais que trabalham sentados, muitas vezes se expõem a problemas, entre eles posturas inadequadas a sedentarismo. Esses maus hábitos podem prejudicar seriamente sua saúde mental e física, não só......

    Voltar para Notícias